MENU

Lição 12 – Perseverando na fé

Subsídio para a Escola Bíblica Dominical da Lição 12 do trimestre sobre “A obra da salvação”


Oração
Perseverando na fé

[OPORTUNIDADE]
Quer se tornar um Professor e Líder da Escola Bíblica altamente Capacitado e Comprometido com o Ensino Bíblico!?
Conheça a Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical (EBD)Clique aqui!
[OPORTUNIDADE]

INTRODUÇÃO

Leia mais

A presente Lição discorrerá sobre um importante tema da doutrina da salvação: a perseverança para vida eterna. Veremos que a perseverança é uma condição para recebimento da salvação final, a participação na glorificação dos justos; analisaremos bíblica e teologicamente o perigo da apostasia; e, por fim, a segurança de salvação que desfrutamos em Jesus Cristo, nosso Salvador.

I. A PERSEVERANÇA BÍBLICA

Jesus deixa claro que “É perseverando que vocês obterão a vida” (Lc 21.19). Como no início da fé, com seu arbítrio libertado pela graça, o homem precisou responder positivamente à graça de Deus atuando sobre ele, e tomar uma boa decisão por Cristo, agora, já salvo, o crente também precisa diariamente ser obediente ao Espírito, não o entristecendo, nem o extinguido, nem se endurecendo para Ele, mas permitindo-o agir livremente, gerando nele o fruto do Espírito, que é a vida santificada, qualificando-o assim para as moradas santas que Cristo nos foi preparar.

Algumas pessoas são contrárias à ideia do “esforço” para salvação, por parecer sugerir mérito humano. Todavia, tanto Jesus quanto os autores neotestamentários falam de esforço para entrar na vida eterna, ainda que tal esforço não seja nem de origem humana, nem exclusivamente humana, mas não dispensa a participação efetivamente humana! O Espírito Santo nos capacita a viver a santificação, e então, capacitados pelo Espírito e por Ele auxiliados dia a dia, precisamos, como seres livres, feitos à imagem e semelhança de Deus, e não robôs automatizados, tomar decisões corretas e corresponder à graça que temos recebido.

– Jesus disse:

Porfiai por entrar pela porta estreita; porque eu vos digo que muitos procurarão entrar, e não poderão” (Lc 13.24). A palavra “porfiar” é sinônima de “lutar”, “brigar”, “guerrear”. E tal palavra é dirigida a nós, não ao Espírito Santo; ou seja, temos o dever de lutar corajosamente pela coroa da vida eterna que Cristo nos tem prometido! Nesse sentido, diz o autor da Carta aos Hebreus: “Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado” (Hb 12.4)

– Paulo disse:

“…assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado” (1Co 9.26,27); “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé” (2Tm 4.7).

– Pedro disse:

“Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2Pe 1.10,11). Perceba que temos uma eleição, uma escolha divina, a confirmar. De que modo? Pela obediência diária, pela santificação. Obedecendo, nunca tropeçaremos! Obedecendo, cruzaremos os portais do reino eterno!

 – O autor de Hebreus disse:

“Portanto, esforcemo-nos por entrar nesse descanso, para que ninguém venha a cair, seguindo aquele exemplo de desobediência” (Hb 4.11). Está explícita neste texto a ideia de esforço.

Os que são antipáticos a esta ideia e consideram-na humanista demais, precisarão confrontar o texto bíblico posto nos termos acima. “O reino de Deus é tomado a força”, disse Jesus (Mt 11.12). Os autores Duffield e Van Cleave são oportunos aqui: “A salvação – e toda benção espiritual – vem de Deus. Mas ela tem a ver com o homem, e em vista de Deus tê-lo feito um agente moral livre, ele tem uma parte a desempenhar em cada transação espiritual. Se Deus tivesse feito dele um mero autômato, sem vontade ou mente própria, isto não aconteceria” (1).

Deus não vai perseverar por nós, nem nos obrigará a perseverar – se este fosse o modo como Ele age, então Ele teria forçado os hebreus que saíram do Egito a perseverarem; Cristo teria forçado Judas a perseverar, e dezenas de milhares de cristãos que têm renunciado a fé outrora abraçada. Perseverar ou não é uma decisão nossa, ainda que a capacidade para ela provenha de Deus.

II. O PERIGO DA APOSTASIA

Usado por Deus como um profeta, o apóstolo Paulo prenuncia: “o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1Tm 4.1). Embora praticado em menor escala que os pecados morais, o pecado da apostasia (que, na verdade, é resultado de uma soma de pecados que o antecedeu) é real e notório.

  • apostasia: um pecado irremediável

Apostasia é o abandono consciente e deliberado da virtude e da fé outrora abraçada. Os textos de Hebreus 6.4-6 e 2Pedro 2.1 estão entre os mais sugestivos do Novo Testamento para se falar de apostasia, o pecado que priva o homem da ação persuasiva do Espírito Santo e da graça divina, deixando-o assim à própria (má) sorte, para perdição final. Estes textos não falam de um pecado qualquer, nem mesmo da reincidência em pecados graves (como adultério ou assassinato), mas falam antes de um abandono deliberado da fé cristã, seja por rejeição à qualquer forma de religião, seja pela assimilação de outras religiões ou heresias. É quando o crente conscientemente rejeita a Cristo e volta às práticas judaizantes – este era o perigo que os cristãos do primeiro século mais corriam, devido incessantes assédios, ameaças e perseguições dos judeus incrédulos; ou quando o crente rejeita à Cristo para seguir os ídolos e deuses vãos deste mundo.

De minha parte posso dizer que conheço casos de ambas as situações: crentes que abandonaram o Cristianismo e abraçaram o Judaísmo (ouvi um ex-pastor chegar a dizer que “o cristianismo foi o maior engodo” de sua vida!), e crentes que abandonaram Cristo, preferindo outras religiões e heresias. Ou seja, eles não viraram ateus, mas religiosos “inimigos da cruz de Cristo” (Fp 3.18). É sobre estes ex-cristãos que Pedro diz: “…negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição” (2Pe 2.1).

Entretanto, o pecado de apostasia não me parece ser o mais frequente entre os cristãos hoje, embora conforme prenuncia a Palavra de Deus, haja uma tendência para aumento dele nos últimos dias. Os pecados mais numerosos entre nós são os de ordem moral. Quando Jesus disse que “naquele dia, muitos me dirão”, ele não menciona pessoas que apostataram da fé, mas pessoas que viveram superficialmente a fé, usando-a até como uma desculpa para suas práticas pecaminosas. “Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’” (Mt 7.22, NVI). Perceba: eram pessoas que usavam o nome de Jesus e que por este nome efetuaram milagres e até manifestaram autoridade sobre os demônios, mas que não fizeram a vontade de Deus até o fim, viveram na prática do mal (v. 23). Quantos que não apostataram da fé, mas estão vivendo totalmente contrário à fé que dizem ter! Não negaram Cristo em palavras, mas negam-no em suas obras! Não trocaram de religião, mas trocaram o fruto do Espírito pelas obras da carne! Os tais correm também sério risco de declinarem da salvação e caírem em condenação eterna!

  • outros perigos reais

Há uma série de outros pecados não confessados e não abandonados que pode tanto quanto a apostasia privar o crente da eternidade com Deus. A carta aos Hebreus, por exemplo, é abundante em referências ao perigo do crente apartar-se de Deus e cair em perdição. Vejamos alguns destes pecados que podem privar o crente da graça de Deus (Hb 12.15):

– negligência na vida espiritual (Hb 2.1-3; 6.11,12)

– malignidade e infidelidade abrigadas no coração (Hb 3.12)

– coração endurecido pelo pecado não tratado (Hb 3.13-14)

– desobediência (Hb 4.6)

– pecados praticados deliberadamente sem arrependimento (Hb 10.26-29)

– abandono da fé (Hb 10.38)

– pecados e embaraços (Hb 12.1)

– profanação e imoralidade (Hb 12.15-17; 13.4)

– recusa à disciplina de Deus (Hb 12.25)

Não nos esqueçamos que a Bíblia também adverte a nós, os salvos, nas seguintes palavras: “Fora ficam os cães, os que praticam feitiçaria, os que cometem imoralidades sexuais, os assassinos, os idólatras e todos os que amam e praticam a mentira” (Ap 22.15); “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus” (1Co 6.9,10); “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus” (Gl 5.19-21)

  • Uma vez salvo, salvo para sempre? NÃO!

A Igreja Assembleia de Deus no Brasil, bem como a maior parte das igrejas pentecostais no mundo, segue uma interpretação arminiana clássica quanto à possibilidade da perda de salvação. Na verdade, tal entendimento não advém de Jacó Armínio, no século 16 ou 17, mas era opinião comum entre os antigos Pais da Igreja nos séculos 2 a 5, e, ao nosso entender, está fartamente respaldada nas Escrituras Sagradas, tanto do Antigo quanto do Novo Testamento. Como diz Armínio, “aquela [opinião] que afirma que é possível que os fiéis percam a fé sempre teve mais apoiadores na igreja de Cristo que aquela que nega a possibilidade de que isso ocorra” (2). A Igreja Assembleia de Deus tradicionalmente tem seguido esta opinião majoritária, crendo na possibilidade da perda da salvação, seja pela apostasia, pela adesão à heresia ou por imoralidades. Levamos muito a sério todas as advertências bíblicas sobre o perigo do pecado não tratado, do endurecimento deliberado do coração e da negligência na vida espiritual, afinal, tais advertências bíblicas, como placas de sinalização no trânsito, não advertem contra perigos irreais ou hipotéticos, mas reais! “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia” (1Co 10.12). Deus não quer nossa derrota e o diabo não pode contra nossa vontade nos derrotar! Portanto, depende apenas de como respondemos ao fluxo incessante da graça de Deus que recebemos: se recebemos a graça, dando-lhe livre curso; ou se recebemos a graça em vão (2Co 6.1) para nosso próprio prejuízo!

  • JACÓ ARMÍNIO (por volta de 1600)

“enquanto durar essa continuação e confirmação, os fiéis não parecem deixar de correr o risco de cair.  (…) A deserção de um indivíduo, como foi dito anteriormente, não é causada pelo poder do inferno, e sim pela vontade daquele que cai (…)” (3)

“os fiéis podem – depois que a remissão de alguns pecados tiver sido obtida – cometer pecados e apostatar terrivelmente” (4)

  • OS REMONSTRANTES (1618)

“Os verdadeiros crentes podem cair da verdadeira fé e podem cair em pecados que não são condizentes com a verdadeira e justificante fé. Isto não é somente possível acontecer, mas isto ainda acontece com frequência. Os verdadeiros crentes são capazes de cair por sua própria culpa em infames e atrozes maldades, de perseverarem e morrerem nelas, e assim finalmente caírem e perecerem” (Opinião dos Remonstrantes em 1618 com um memorial a Jacó Armínio, tradução Luis Henrique)

  • DECLARAÇÃO DE FÉ DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS (2017)

É possível a perda da salvação. Rejeitamos a afirmação segundo a qual ‘uma vez salvo, salvo para sempre’, pois entendemos à luz das Sagradas Escrituras que, depois de experimentar o milagre do novo nascimento, o crente tem a responsabilidades de zelar pela manutenção da salvação a ele oferecida gratuitamente: ‘vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo’ (Hb 3.12). Não há dúvidas quanto à possibilidade do salvo perder a salvação, seja temporariamente ou eternamente. Mediante o mau uso do livre arbítrio, o crente pode apostatar da fé, perdendo a sua salvação” (5).

  • TEÓLOGOS PENTECOSTAIS

– Myer Pearlman

“o NT de fato ensina que é possível resistir à graça divina e resistir para a perdição eterna (…), como também que a perseverança é condicional e depende do manter-se em contato com Deus. Observe especialmente Hebreus 6.4-6 e 10.26-29. Essas palavras foram dirigidas a cristãos; as epístolas de Paulo [2] não foram dirigidas aos não regenerados. Aqueles aos quais foram dirigidas são descritos como pessoas que foram uma vez iluminadas, provaram o dom celestial, participaram do Espírito Santo, e provaram a boa Palavra de Deus e os poderes do mundo por vir. Essas palavras certamente descrevem pessoas regeneradas. (…) se o terrível pecado da apostasia da parte de pessoas salvas não fosse ao menos remotamente possível, todas essas admoestações não teriam sentido algum (…)“(6)

– José Gonçalves

“Se partirmos do pressuposto de que o texto de Hebreus 6.4-6 está, de fato, referindo-se a uma situação hipotética e que não acontece entre cristãos, então por que o autor de Hebreus iria advertir seus leitores sobre algo que jamais poderia acontecer? Eles não estariam seguros da mesma forma? Se o autor já sabia que Deus não permitiria que isso viesse a acontecer entre os cristãos, então por que ficaria fazendo esse jogo de cena?” (7)

III. SEGUROS EM CRISTO

Guy Duffield e Nathaniel Van Cleave discorrendo sobre a segurança do crente, fazem uma declaração que merece destaque aqui, sobretudo em virtude do assunto de nossa Lição ser Perseverando na fé, e o presente tópico ser Segurança em Cristo. Aqueles autores dizem:

“Note cuidadosamente que este assunto não está sendo discutido sob o título ‘A insegurança do crente’, mas sim ‘A segurança do crente’. Acima de tudo, em nossa vida cristã, devemos ter uma certeza positiva de nossa salvação” (8).

De fato, conquanto exista a possibilidade real – não mera hipótese – da perda de salvação para o crente que declinar da fé, é preciso investirmos esforços para estimularmo-nos uns aos outros na permanência da fé, no amor e na santificação. É preciso estarmos sempre olhando “para o autor e consumador da nossa fé” (Hb 12.2), pois “aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus” (Fp 1.6), e é fato que o nosso Senhor “é poderoso para impedi-los de cair e para apresentá-los diante da sua glória sem mácula e com grande alegria” (Jd 1.24). Não há contradição alguma neste ponto e no ponto anterior, pois a certeza de salvação é dada à todos aqueles que creram em Cristo e que nele vivem pela fé. Todavia, tal certeza não pode ser firme no coração do crente que não está firme em Cristo! Como dar certeza de salvação ao que vive em práticas pecaminosas e não se arrepende delas? O fato de Cristo ser poderoso para nos manter de pé, não significa que ele nos manterá de pé incondicionalmente, ou seja, sem exigir de nós um compromisso de fé e de obediência.

– fomos, somos e seremos salvos!

Deus não só nos salvou do pecado, como pode e quer nos salvar da ira futura e levar-nos para Sua glória celeste. Para salvação do pecado, ele exigiu de nós compromisso de fé com Cristo (Jo 1.11,12; 3.16); para preservar-nos da ira vindoura, ele exige de nós fidelidade a este compromisso firmado na conversão. Exige que sejamos fiéis até o fim! “mas aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt 24.13). Fomos salvos! Somos salvos! E seremos salvos! “desde que, de fato, nos apeguemos até o fim à confiança que tivemos no princípio” (Hb 3.14) – vê-se aqui a grande condição – “desde que, de fato, nos apeguemos até o fim – que está sobre todos nós.

A porta é estreita, o caminho é apertado, mas temos o Espírito Santo e a Palavra de Deus como guias para não nos desviarmos do caminho, nem errarmos a porta! Se não nos endurecermos para o Espírito (Hb 3.6-8), podemos ter absoluta certeza de que Ele nos guiará em toda verdade, conforme assegurou-nos Jesus (Jo 16.13); a Tua Palavra é a verdade, disse também Jesus (Jo 17.17). Aos que guardam as palavras de Cristo, é dada mui bendita promessa de segurança eterna: “Asseguro-lhes que, se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte” (Jo 8.51). Mas perceba que não é “guarda uma vez” ou “guardou” no passado, mas “se alguém guardar”, o que sugere um ato contínuo, uma obediência permanente, uma observância diária dos mandamentos de Cristo. Aqueles que fizeram verdadeira profissão de fé lá atrás, mas que não produzem “frutos dignos de arrependimento” (Mt 3.8), que não andam “segundo o Espírito” e não produzem o fruto do Espírito (Gl 5.22), serão cortados e queimados no fogo! (Jo 15.2,6).

Se vivermos firmes em Cristo como Paulo viveu, poderemos dizer sem medo: “Nada nos separará do amor de Deus!” (Rm 8.38,39). Entretanto, “como escaparemos se negligenciarmos tão grande salvação?” (Hb 2.3). Se pecarmos, não podemos abrigar o pecado em nosso coração, ocultando-o ou fingindo que não aconteceu. Devemos confessá-lo e abandoná-lo para alcançarmos misericórdia! (Pv 28.13). Os que em oração de arrependimento suplicam a Deus misericórdia, encontrarão em Cristo o seu advogado de defesa (1Jo 2.1,2). Nele “temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu” (Hb 6.19). Visto que o pecado causa ranhuras na imagem de Deus em nós, enfraquece nosso espírito, endurece o coração e priva-nos da comunhão com o Senhor, arrependamo-nos diariamente de pensamentos maus, palavras más, atitudes más e também de nossas omissões. Assumamos com Deus renovadamente o compromisso de amá-lo, obedecê-lo e servi-lo de todo coração (servir parcialmente, sem integridade de coração, foi a desgraça de muitos reis e sacerdotes de Israel!). E “Assim sendo, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade” (Hb 4.16). Sim, ao crente que vai com fé ao trono da graça, ele encontra ajuda no momento da necessidade, da tentação, da fraqueza e do assédio do mal! Como digo em meu livro A Mensagem da Cruz, a luta contra o pecado não é uma luta a dois – eu e o pecado -, mas uma luta a três – eu e Jesus contra o pecado – somente assim somos vencedores!

Se vivermos de fé em fé e de glória em glória, poderemos cantar aquele belíssimo hino:

“Já sei, já sei, comprado com sangue eu sou!

Já sei, já sei, com Cristo ao céu sim eu vou”

(Harpa Cristã, hino 235)

E você, meu irmão, tem certeza de sua salvação?

Deus te abençoe, e uma ótima aula!

____________________

REFERÊNCIAS

(1) Guy Duffield e Nathaniel Van Cleave. Fundamentos da Teologia Pentecostal, vol. 1, Editora Quadrangular, p. 353

(2) Jacó Armínio. As Obras de Armínio, vol. 2, CPAD, p. 434

(3) Jacó Armínio. Op. cit., vol.3, p. 458

(4) Jacó Armínio. Op. cit., vol. 3, p. 465

(5) Declaração de Fé das Assembleias de Deus, CPAD, p.114

(6) Myer Pearlman. Conhecendo as doutrinas da Bíblia, 3 ed., Vida, pp. 271,2

(7) José Gonçalves. A supremacia de Cristo: fé, esperança e ânimo na carta aos Hebreus, CPAD, p. 136

(8) Duffield e Cleave. Op. cit., p. 352



Presbítero da Assembleia de Deus em Campina Grande-PB. Coordenador de Escola Bíblica Dominical. Autor do livro A Mensagem da cruz: o amor que nos redimiu da ira.

Assuntos: , , ,


Deixe sua opinião!