MENU

A Festa dos Tabernáculos – Sucot

“Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas” (Salmo 61:4)


A Festa dos Tabernáculos - Sucot

Com o término das festas temerárias de Rosh Hashaná e Yom Kipur temos a celebração da festa dos Tabernáculos, ou das Cabanas, chamada em hebraico de Sucot, onde o mandamento é: “e vos alegrareis perante o SENHOR vosso Deus por sete dias” (Lv.23:40b). Nesta festa o israelita é convidado a celebrar a proteção, provisão divina e presença bendita de seu criador durante o tempo de Israel no Deserto, após a libertação da escravidão no Egito. Portanto, Sucot diz respeito à peregrinação de 40 anos dos israelitas no deserto, período em que o povo habitou em tendas. Isso antes de conquistarem a Terra Prometida, quando passaram a habitar em casas e cidades que a Bíblia diz que eles não construíram (Dt.6:10-11).

Celebrando A Festa

A Festa dos Tabernáculos é comemorada em 8 dias, sendo que o primeiro e o oitavo dia Shemini Atséret (oitavo dia de reunião solene) da festa se tornam um Shabat, dia de descanso solene (Lv.23:35-36). No calendário judaico diz respeito aos dias 15 a 21 de Tishrei de 5779, que corresponde, em nosso calendário, aos dias 24 de Setembro a 1 de Outubro 2018.

Leia mais

Sucot também é conhecida como a Festa das Colheitas (Hag Haassif), por ser realizada durante as últimas colheitas do ano em Israel, no Outono (Deuteronômio 16:13-15). Nesse período os campos estão cheios, os pomares carregados e as vinhas preparadas para a colheita (Lv.23:39). Aqui está o tom de Sucot – alegria, festividade e gratidão pelo cuidado divino do Deus de amor, que é o seu provedor.

Assim como as demais festas solenes do Senhor, Sucot tem caráter de estatuto perpétuo para Israel, passando de geração a geração: “E celebrareis esta festa ao SENHOR por sete dias cada ano; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações; no mês sétimo a celebrareis” (Lv.23:41); fato que se confirma pela história do povo judeu até os dias de hoje.

Os principais requisitos durante a festividade de Sucot são: construir uma Sucá (tenda/cabana), que pode ser feita de madeira ou outro material e montada no quintal ou na varanda para lembrar a peregrinação de Israel no deserto; habitar em tendas, cobertas com folhas de palmeiras, durante os dias da festa: “Sete dias habitareis em tendas; todos os naturais em Israel habitarão em tendas” (Lv.23:42); comer as refeições na Sucá e também ali dormir, a menos que chova.

A Sucá, que não é uma fortaleza e sim uma habitação frágil e temporária, serve para lembrar ao homem que ele depende da proteção divina e que a vida nesse mundo é passageira, somos todos peregrinos.

Outros Ritos

Ainda existem outros ritos da tradição judaica, como por exemplo, as Arbá Minim (Quatro Espécies), conforme Levítico 23:40: “E no primeiro dia tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmeiras, ramos de árvores frondosas, e salgueiros de ribeiras; e vos alegrareis perante o SENHOR vosso Deus por sete dias”, em hebraico são: Etrog (fruta cítrica), Lulav (ramo da palmeira), três Hadasin (ramos de murta, ramo de árvore frondosa-espessa-tamareira) e duas Aravot (ramos de salgueiro); todas juntas na mão do judeu falam da unidade e da interdependência uns dos outros.

O Talmud vê no ramo da palmeira (Lulav) a força religiosa; na murta (Hadas), a força da inocência; no salgueiro (Aravá), a força da modéstia; e no Etrog (espécie de limão), a força da amenidade e amor ao próximo. Segundo o Midrash (Yalcut), a união das quatro espécies que formam o Lulav é o símbolo da união e fraternidade entre o povo judeu.

O Propósito da Sucá

A Festa das Cabanas tinha como propósito lembrar ao israelita a fragilidade da vida, através dos sete dias habitando em cabanas simples e desprotegidas. Um outro propósito intrínseco à festa é lembrar aos israelitas de sua dependência do Deus provedor, através da abundante colheita, do fruto da terra que saciaria e alimentaria a nação inteira, incluindo filhos e filhas, servos e servas, órfãos e viúvas, levitas e estrangeiros, ou seja, todos aqueles que viviam na Terra de Israel (Dt.16:13,14).

Judeus religiosos ou seculares até hoje fazem a Sucá no quintal de casa, na varanda do apartamento, ou em outro lugar apropriado, não só para lembrarem da realidade que seus antepassados viveram, mas para proporcionar uma experiência à atual geração, ao menos em parte, a fim de que saibam que Deus fez com que os filhos de Israel habitassem em tendas no Deserto (Lv.23:43).

 Significado Profético de Sucot: A Encarnação do Messias

O Tabernáculo de Israel era símbolo da presença de Deus no meio de seu povo: “E porei o meu tabernáculo no meio de vós, e a minha alma de vós não se enfadará. E andarei no meio de vós, e eu vos serei por Deus, e vós me sereis por povo. Eu sou o SENHOR vosso Deus, que vos tirei da terra dos egípcios, para que não fósseis seus escravos; e quebrei os timões do vosso jugo, e vos fiz andar eretos” (Lv.26:11-13).

Posteriormente, o Templo de Salomão em Jerusalém, que substituiu o Tabernáculo, passou a ser o lugar da “morada” de Deus entre o seu povo (1 Reis 8:1-11; 2 Crônicas 7:1-3).

Sucot aponta como uma tipologia para a encarnação do Messias-Jesus, conforme lemos no Evangelho de João: “E o Verbo se fez carne, e habitou [tabernaculou-se] entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo.1:14). Assim como Deus estava entre o povo de Israel através do Tabernáculo, o Messias estaria, através da sua encarnação, manifestando o Pai: “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou” (Jo.1:18).

Ainda no Evangelho de João encontramos menção à Festa dos Tabernáculos: “E estava próxima a festa dos judeus, a dos tabernáculos” (Jo.7:2). Durante os sete dias da festa um sacerdote especialmente separado carregava água num cântaro de ouro do tanque de Siloé para ser derramado numa bacia aos pés do altar pelo Sumo-Sacerdote (Stern, 2008, p.205). Isto era uma petição simbólica por chuva e um claro ato profético sobre o derramar do Espírito Santo, conforme profetizado por Isaías: “Porque derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção sobre os teus descendentes” (Is.44:3).

Nesse momento o sumo-sacerdote proclama o Salmo 118, chamado cântico dos degraus, onde encontramos declarações como: “A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça da esquina (…); Salva-nos, agora, te pedimos, ó SENHOR e Bendito aquele que vem em nome do SENHOR” (Sl.118:22, 25a, 26a,).

Jesus subiu a Jerusalém para participar desta festa (Jo.7:10) e no exato momento em que o Sumo-Sacerdote fez a declaração acima, sendo o último dia, o grande dia da festa (Jo.7:37a) o Senhor Jesus levantando-se declarou: “Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem; porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado” (Jo.7:37b-39). O resultado foi que muitos reconheceram que ele era o profeta que havia de vir (Jo.7:40 cf. Dt.18:15-18).

Vimos a presença do Pai no Filho, e agora a Igreja, isto é, cada crente nascido de novo, é a moradia de Deus na terra, conforme o Senhor mesmo prometeu: “Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada” (Jo.14:23). Sobre o ministério do Espírito Santo, o Senhor Jesus disse o seguinte: “habita convosco e estará em vós” (Jo.14:17b).

O que temos é a profecia cumprida, Deus habitando no homem por meio do seu Espírito: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1Co.3:16).

O Reino Messiânico

A Festa de Sucot também tipifica o Reino Messiânico: “e reinaram com Cristo durante mil anos” (Ap.20:4).

De acordo com as Escrituras Sagradas, Sucot é a mais universal de todas as festas judaicas, ou seja, engloba todas as nações do mundo. O profeta Zacarias profetizou que um dia essa festa será celebrada por toda a humanidade: “E o SENHOR será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o SENHOR, e um será o seu nome. E acontecerá que, todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o SENHOR dos Exércitos, e para celebrarem a festa dos tabernáculos” (Zc. 14:9,16).

Os sábios judeus ensinam, com base na passagem acima do profeta Zacarias, que na festa de Sucot Deus decide assuntos relativos às chuvas – se serão abundantes ou não, se serão fonte de bênção ou não, no ano que está por vir.

O Talmud nos diz, no Tratado Rosh Hashaná 1:2: “Na festa (de Sucot), o mundo é julgado na questão da chuva”. Portanto, o propósito era levar Deus a decretar um ano de chuvas abundantes e prosperidade para o mundo todo.

Esse tom messiânico de Sucot é reconhecido até os dias de hoje, conforme afirmou o rabino Lamm: “Sucot, assim, incorpora um ideal messiânico que é transmitido para todo o mundo”.

O Reino Eterno

E por último Sucot aponta para o Reino Eterno de Deus como podemos ler nas palavras inspiradas do apóstolo Paulo: “Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força. E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” (1Co.15:24,28). Assim, o governo eterno de Deus visto pelo profeta Daniel terá o seu cumprimento na história da redenção (cf. Daniel 2:44-45).

Como desejo de estarmos na presença bendita do Senhor, transcrevo a declaração do salmista que diz: “Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas” (Sl.61:4).

Sucot, portanto, é um convite para habitarmos com o Pai, diante dele, na casa dele, em comunhão com ele, através do Filho! Tem coisa melhor?



Pastor Batista, Diretor dos Amigos de Sião, Mestre em Letras - Estudos Judaicos (USP).

Assuntos: , , ,


Deixe sua opinião!